Nesta semana, a DC ficou em evidência após o co-criador da série animada da Harley Quinn, Justin Halpern, dizer em entrevista que os executivos da empresa pediram para cortar uma cena da terceira temporada onde o Batman faria sexo oral na Mulher-Gato.

Contextualizando, a série tem classificação indicativa de 18 anos, permitindo cenas de violência gráfica e explora bastante a vida íntima dos personagens. Sendo assim, uma cena na qual o Homem-Morcego estaria em um momento de prazer com sua parceira, está dentro da proposta da série. No entanto, na visão da DC Comics, “heróis não fazem isso” e temiam a queda de vendas do personagem.

O caso aqueceu as discussões na internet sobre super-heróis não serem apenas produtos infantis, mas também para adultos. Por isso, existe a comunidade dentro do meio nerd que defende que hajam cada vez mais cenas de sexo ou de mortes reais, pois o “mundo funciona assim”.

Mas como o título deste artigo, isso não torna necessariamente as histórias mais adultas. Na verdade, soa como se uma criança ou um jovem adolescente imaginasse o que seria uma história adulta. Isso quer dizer então que a proposta da série estava errada e a DC estava certa em cortá-la? Absolutamente não, mas por isso é preciso um olhar mais aprofundado.

Reprodução/DC Comics

Primeiramente: o ato

A sociedade ocidental trata o sexo como um tabu e nunca está preparada para lidar deste assunto com naturalidade. Isso explica o alvoroço de todos ao saberem que o Batman faria um sexo oral na Mulher-Gato. Em nenhum momento isso diminuiria o personagem, manchando o seu legado, nem traumatizaria crianças. A série não é para elas. Em filmes, jogos e outras animações, vemos ele beijando mulheres e tendo seus romances, ainda que de forma não explícita, logo ir mais além pela classificação indicativa, não é um problema. A série deveria explorar o lado mais pessoal dos personagens, certo?

Só que é curioso notar o cuidado que os executivos tiveram ao não sexualizar o personagem, pois isso nunca é visto com as personagens femininas. A Mulher-Maravilha por exemplo, tem um enorme close em suas nádegas no corte de Joss Whedon em Liga da Justiça. Ou mesmo em Batman Vs Superman, onde em vários momentos a personagem aparece em posições um tanto estranhas para quem está em batalha.

Usando a concorrência de exemplo, a Viúva Negra em Homem de Ferro 2 tem uma cena onde literalmente ela tira toda a sua roupa e o Jon Favreau fica babando pelo momento. Sem contar os diálogos machistas e o traje que sexualiza seu corpo. O estúdio não se preocupou em vender bonecos da personagem e nem na visão que o público teria. Mas o herói masculino que não pode fazer sexo oral.

É sério que isso aqui era aceitável? – Reprodução/Marvel Studios

A marginalização do sexo oral feminino

Em uma visão mais conservadora, o sexo oral em mulheres como algo submisso. É como se o homem estivesse perdendo sua masculinidade ao se curvar e ceder prazer para sua parceira. É um preconceito que vê como errado o prazer feminino, priorizando apenas o prazer masculino. E isso não se prende apenas ao meio artístico, mas como nas relações humanas num geral e o entretenimento simboliza isso.

Não é preciso ir muito longe para ter exemplos de sexo oral masculino. Army of the Dead da Netflix tem uma abertura dedicada a isto, filme de um certo diretor que já iremos entrar com mais detalhes. Mas na própria DC, no Batman de 1989, existe uma cena aonde indica um sexo oral da Vicky Vale no Coringa, como forma de distração. Claro que o ato não acontece, mas essa expressão diz tudo sobre o momento:

Reprodução/Warner Bros.

Então soa muito mais honesto dizer que o motivo do corte é unicamente pelo fato de que mulheres sentirem prazer é um tabu. Nada está relacionado as vendas dos brinquedos ou que heróis não fazem isso. Em 83 anos de existência, é provável que o Batman já tenha feito sexo com quase todas as personagens femininas que tenha cruzado seu caminho. Isso ele pode fazer, mas dar prazer não?

E essa questão nem o faz ser mais adulto. O que nos obriga a entrar em uma outra discussão.

O que faz um herói ser adulto?

Essa é uma discussão que me incomoda já faz um tempo, principalmente pelos motivos que fizeram ela surgir: Zack Snyder. Desde que o diretor começou o seu universo em Homem de Aço, muitos fãs defendem a ideia de que as histórias de heróis podem ser mais adultas. Não é um ponto do qual discordo, mas não dá para dizer que seus filmes de heróis são de fato adultos.

A violência é um artifício usado para causar choque no expectador, mas sem um contexto ela se torna vazia. Num filme como Coringa por exemplo, todo gesto violento agrega para a tensão do filme que carrega como protagonista alguém com transtornos mentais. Mas se o protagonista é o Batman, usá-lo para explodir capangas e passar o seu carro por cima, é apenas algo vazio.

Tire a violência de Liga da Justiça e o roteiro funcionará para uma criança. Tire a violência de Coringa e o filme ainda pode ser perturbador. Ora, quer uma trama adulta? Vá ler o Homem-Aranha clássico passando dificuldades para pagar suas contas. Isso é o maior terror adulto que você pode encontrar.

Sexo como choque

O sexo na maioria das vezes é outro artifício para chocar. Game of Thrones por exemplo cansou de fazer isso nas primeiras temporadas, até causando desconforto no set. Ao colocar heróis fazendo sexo, existe o risco de ser meramente apelativo, sem nenhum contexto. Para não dizer que pode beirar paródia pornográfica.

Quer fazer uma história pé no chão e adulta? Então mergulhe fundo na vida do personagem em questão e trabalhe o sexo como uma questão normal do dia-a-dia. Não é um splash page como Snyder publicou no seu Twitter que fará a história ser adulta.

Por último, mas não menos importante: tenha educação sexual

Educação sexual é extremamente importante, ainda que alguns digam que é besteira. Apenas aprendendo sobre sexo, é possível quebrar as barreiras do preconceito e lidar de uma forma normal. Não há nada de errado em sentir prazer e nem dar prazer para o parceiro ou parceira.

Ver isso sendo retratado deveria ser algo natural, sem forçar a barra para ser chocante ou algo do tipo. O mais importante acima de tudo é a narrativa e se faz sentido, não tem porque ser censurado.

  • Então siga o Retalho no Instagram e no Twitter para conteúdos inéditos
  • Mas também fique ligado no Retalho para artigos e notícias da cultura pop