Depois de muita espera, Loki teve a sua estreia no Disney+ nesta quarta-feira (09) e finalmente apresentou o multiverso no MCU. Sim, apesar de todas as teorias apontarem WandaVision como o pontapé inicial para isto, é a série do Deus da Trapaça que começará a explorar novas realidades. Inclusive, confirmando algumas das teorias já planejadas anteriormente.

O Retalho teve acesso antecipado ao episódio e agora destrincharemos como que a série introduz o conceito e como isto deve impactar o futuro.

Guerra Multiversal

Reprodução/Marvel Studios

Antes mesmo da abertura da série, há um vídeo explicando sobre a existência do multiverso. Há muito tempo, existiam várias linhas do tempo convivendo entre si, até que isso gerou perigo para toda a existência. Então, os Guardiões do Tempo interferiram na situação e transformou tudo em uma única “Sagrada Linha do Tempo”.

No entanto, ao longo da história, houve aqueles que acabaram querendo mudar alguns acontecimentos na linha do tempo. A cada acontecimento alterado no passado, se cria uma nova linha do tempo e assim vira um multiverso. Então toda vez que algo que não deveria acontecer, acaba acontecendo, se torna um Evento Nexus. O nome é uma referência direta ao Nexus dos quadrinhos, que se trata sobre as múltiplas realidades.

Cabe então a TVA (Autoridade de Variação Temporal), proteger a linha do tempo e prender aqueles que violam as leis. Essa explicação já havia sido feita pela Anciã em Vingadores: Ultimato, mas havia a dúvida relacionada ao motivo da Time Heist não influenciar em outros multiversos. Em Loki, a justificativa é bastante simples: estava previsto que a viagem iria acontecer, logo não interferiu na realidade.

O que isto indica para o futuro?

Se pensava antes de que os multiversos já existiriam e assim poderia haver conexões com o Universo do Homem-Aranha na Sony. No entanto, com essa explicação agora sabemos que não é bem assim. Para que haja novas realidades, é preciso que aconteça ramificações da linha do tempo do MCU.

Isso indica que não teremos este crossover? Não exatamente, pois é possível que se explique que esses universos existem a partir de uma ramificação. Mas isso ainda não se passa de uma especulação e conforme a série for avançando, descobriremos mais destes multiversos.

Mas uma coisa é certa, desta vez podemos esperar fortes conexões com Doutor Estranho no Multiverso da Loucura. Isto porque o criador da série, Michael Waldron, é o mesmo roteirista do filme, o que faz com que os conceitos possam vir a serem ampliados no futuro. Nesse sentido, ele também já trabalhou em Rick and Morty, uma das séries que mais brinca com realidades alternativas.

Kang a caminho?

Talvez essa teoria seja um novo Mephisto, mas é provável que haja pistas sobre a existência do próximo grande vilão da Marvel. Isto porque Kang, o Conquistador, tem grande ligação com a TVA nos quadrinhos e é um vilão que vive criando caos na linha do tempo. Ele está confirmado no MCU como antagonista de Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania, então no mínimo há uma chance de se plantar uma semente.