Você com certeza já assistiu algum filme com o Tom Hanks no elenco. Esse nome, que está prestes a se tornar um patrimônio cultural estadunidense, está completando 64 anos de vida nesta quinta-feira (9). O ator, que começou no teatro, já é um veterano na temporada de premiações, com um histórico de seis indicações no Oscar, garantindo a estatueta da Academia em duas delas por seu papel nos filmes Filadélfia (1993) e Forrest Gump (1994).

A filmografia de Tom Hanks conta com mais de 60 títulos, com suas performances em Quero ser Grande (1988), O Código Da Vinci (2006), Náufrago (2000), Apollo 13 (1995), À Espera de um Milagre (1999) entre muitos outros frequentemente recebendo destaque da mídia. Sua amizade com o diretor Steven Spielberg chegou a render em cinco longa-metragens, O Resgate do Soldado Ryan (1998), Prenda-me se for Capaz (2002), O Terminal (2004), Ponte de Espiões (2015) e The Post – A Guerra Secreta (2017), este último sendo estrelado também pela atriz Meryl Streep.

Mas o que muita gente não sabe é que além do trabalho na frente das câmeras, seja como ator em filmes quanto na televisão no Saturday Night Live, programa em que já foi anfitrião 10 vezes, é que a vida de Tom Hanks em Hollywood chega a se desdobrar na produção, roteiro e direção. Além disso, o ator é presente em causas sociopolíticas e ambientais e também já chegou a publicar um livro de sua autoria.

Para celebrar a data, confira uma lista preparada pelo O Retalho com essas curiosidades que você deveria saber sobre Tom Hanks, aniversariante do dia. 


Vida como diretor e roteirista

Tom Hanks começou a se arriscar sentando na cadeira mais importante do set de gravação em 1996, quando tinha 40 anos e já contava com duas estatuetas do Oscar na prateleira. O pontapé inicial para este lado de sua carreira foi com o musical That Thing You Do!, que além de dirigir, também foi roteirizado e estrelado por ele, interpretando o representante da gravadora Playtone, Mr. White. O longa também recebeu uma pequena participação especial de um de seus filhos, Colin Hanks.

Foto: Reprodução

Depois disso, Hanks foi creditado novamente na direção da comédia romântica Larry Crowne, interpretando o personagem que dá nome ao filme ao lado de Julia Roberts. Porém, o trabalho mais famoso que contou com sua liderança foi a minissérie premiada Band of Brothers, produzida, dirigida e escrita ao lado de ninguém menos que Steven Spielberg.

Com 10 episódios e responsável por fisgar seis prêmios Emmy em 2002, a história é ambientada durante a Segunda Guerra Mundial, mais precisamente dias antes do chamado Dia D, acompanhando a invasão no interior da França pela Easy Company, 506º Regimento da 101ª Divisão de paraquedistas do exército norte-americano em 1942. A série está disponível no streaming da HBO, bem como sua continuação The Pacific, também produzida por Hanks e Spielberg.

Foto: Reprodução/IMDB

O ator chegou a dirigir mais algumas produções para a televisão, como um dos episódios da sitcom A League of their Own (1993) baseada no filme homônimo que conta com Tom Hanks como o técnico Jimmy Dugan da liga americana profissional de beisebol feminino; um dos episódios da antologia Fallen Angels (1993), que também contou com outras estrelas na direção, como Tom Cruise, Alfonso Cuarón e Kiefer Sutherland; a mesma chegou a acontecer em um dos episódios de Tales from the Crypt (1989), série antológica de terror que chegou a ser estrelada por vários rostos conhecidos, como o de Brad Pitt, Daniel Craig, Joe Pesci, Sandra Bullock entre muitos outros.

Assumidamente apaixonado pelo espaço, Hanks possui alguns títulos do tema em seu currículo. Além de dar vida ao astronauta Jim Lovell no longa Apollo 13 (disponível na Netflix) e no documentário em curta-metragem Magnificent Desolation: Walking on the Moon 3D, em que assina o roteiro e a produção, ele também dirigiu, escreveu e narrou alguns dos episódios da minissérie From the Earth to the Moon (1998), que conta em 12 partes a história do programa espacial norte-americano nas décadas de 60 e 70 dando destaque ao Projeto Apollo.

Seu mais recente trabalho como roteirista é no filme Greyhound (2020), que chega ao serviço de streaming da Apple nesta sexta-feira (10). Dirigido por Aaron Schneider e estrelado por Tom Hanks, o longa ambientado na Segunda Guerra Mundial é baseado no livro de 1955, The Good Shepherd, de C. S. Forester


Paixão que originou um livro

Tom Hanks é um grande colecionador de máquinas de escrever. O ator já chegou a dividir sua paixão pelo objeto mecânico no documentário California Typewriter (2016), que também conta com depoimentos de John Mayer, David McCullough e Sam Shepard.

Não parando por ali, Hanks chegou a levar as máquinas de escrever para o mundo literário em seu, até então, único livro publicado Tipos Incomuns, que chegou ao Brasil em 2017 pela editora Arqueiro. A obra é, na verdade, uma coletânea com histórias fictícias que não possuem nenhuma ligação com a outra, exceto pelo fato de que em todas elas há a presença de uma máquina de escrever. O livro não foi muito bem recebido pela crítica estrangeira, mas vale dar uma olhada para conferir o trabalho do ator como escritor.

Foto: Reprodução

Em 2014, ele chegou a criar um aplicativo para iOS cujo objetivo era dar ao usuário a experiência de digitar em uma máquina de escrever. Intitulado Hanx Writer, atingiu a primeira posição no ranking de apps mais baixados poucos dias após seu lançamento.


Política e assuntos sociais

Tom Hanks já declarou abertamente que apoia o casamento entre pessoas do mesmo sexo e se colocou contra a Proposição 8, uma emenda na Constituição da Califórnia, em 2008, que validava a união matrimonial somente se ela acontecesse entre uma mulher e um homem. Em uma campanha com outras celebridades, ele chegou a arrecadar 44 milhões de dólares contra a emenda, que caiu em 2013.

Na política, o ator já doou para as campanhas do Partido Democrata norte-americano e sempre demonstrou apoio a Barack Obama. Durante as eleições de 2008, publicou um vídeo em sua página do MySpace endossando o ex-presidente; Em 2012, narrou o documentário usado na campanha de reeleição de Obama, The Road We Traveled.

Em 2016, chegou a receber a Medalha da Liberdade na última cerimônia de Obama como Presidente junto com outras celebridades, como Robert DeNiro, Michael Jordan, Ellen DeGeneres entre outras personalidades. A homenagem é considerada nos Estados Unidos como “a maior honra que pode ser concedida a um civil no país.”

Foto: Captura de Tela/YouTube

No mesmo ano, Tom Hanks endossou Hillary Clinton nas eleições presidenciais contra o atual presidente Donald Trump. Este ano, Tom Hanks demonstrou apoio a Joe Biden.


Queridinho dos Estados Unidos

Tom Hanks é frequentemente chamado de America’s Dad e já foi considerado por alguns sites de entretenimento como “o cara mais legal de Hollywood” devido ao seu carinho com os fãs, imprensa e colegas de trabalho.

Na última cerimônia do Globo de Ouro, o ator chegou a responder perguntas de alguns jornalistas após receber o prêmio Cecil B. DeMille, que homenageia os artistas anualmente pela sua contribuição ao longo da carreira no mundo do entretenimento. Questionado sobre sua simpatia, fama de bom moço e histórico longe de escândalos, Hanks respondeu que “prefere ser apreciado do que odiado”, segundo ele, uma filosofia de Keanu Reeves, outro querinho de Hollywood.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui