Texto publicado originalmente em www.retalhoclub.com no dia 8 de março de 2017 por Lorena Schveper 

A todas elas que conseguem cuidar de si mesmas. A todas elas que estudam dialogam, conversam, debatem e vão até o final com base nas ideias e ideais, que lutam pela igualdade e por direitos. A todas que se depilam, se arrumam, cortam o cabelo, maquiam-se, compram as roupas só para sentirem-se bem a si mesmas. A todas que se equilibram por horas no salto alto, sem perder a certeza de que podemos muito bem fazer tudo o que podemos e nos propusemos a fazer. Àquelas que criam filhos sozinhas, que enfrentam o mundo para colocar a comida em cima da mesa no final do mês e dar conta de preparar a janta, o almoço e arrumar lancheira de criança. Elas, que são mães de adolescentes, que pernoitam acordadas e preocupadas com a segurança da prole. Elas, que buscam sempre o melhor para a família, que sabem onde está tudo, que são femininas, que são autênticas, que são fortes, que são ousadas, determinadas e corajosas. Elas, que orgulhosamente dizem que são mulheres, que sabem da importância que têm, que têm noção que o mundo é um lugar cruel, mas que conseguem enfrenta-lo de queixo erguido.

A todas que já sofreram abusos, ou que foram agredidas. A todas elas que sofreram, mas que deram a volta por cima. A todas elas que são do lar, do bar, da balada, do trabalho. A todas as diferenças, a todas personalidades. Às carinhosas e às tímidas, às extrovertidas. Às que se preocupam com a chapinha e àquelas que estão na chuva para se molhar. Àquelas que se arriscam, que não se importam de quebrar as unhas e àquelas que vão à manicure toda semana. Àquelas que gostam de usar tênis e camiseta, àquelas que preferem saias e saltos. Àquelas que falam o que pensam, que vão atrás do que querem. Que trabalham duro, que trabalham em casa. Que têm cabelos longos, cabelos curtos, que são altas, baixas, magras ou gordas.

A todas nós que não possuímos a habilidade de super velocidade, mas que sempre conseguimos honrar com nossos compromissos e chegar no horário do trabalho, pagamos as contas, limpamos a casa, colocamos os filhos para dormirem e ainda lemos histórias a eles. A todas nós que não possuímos a super força, mas que conseguimos empurrar carros, carregar sacolas dos supermercados e ainda fazer milagre com o orçamento que temos. A todas nós que não possuímos habilidades sobre-humanas, mas que pegamos várias conduções para irmos ao trabalho, cuidamos dos doentes, concertamos carros. A todas nós que não possuímos o laço Mágico, mas temos amor próprio e conseguimos ver quando alguém nos faz mal ou nos faz bem.

Nós, que somos incríveis, maravilhosas. Nós, que não somos a Mulher Maravilha, mas somos Maravilhosas de todas as formas possíveis; que conseguimos sempre enfrentar o dia e matar um leão ao final: Feliz dia das Mulheres!